Skip to main content
  1. Home >
  2. Sobre a Fujitsu >
  3. Fujitsu em Portugal >
  4. Case Studies >
  5. Autoridade Tributária e Aduaneira

Autoridade Tributária e Aduaneira

"Assistimos a uma redução drástica nos custos através da automatização dos processos de fita para ambientes mainframe e sistemas abertos, o que tornou a manutenção do ambiente de cópia de segurança 60% menos dispendiosa, com melhores SLAs."

Carlos Costa Santos Director de TI, Autoridade Tributária e Aduaneira

Desafio     
A Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) dependia um sistema de cópia de segurança obsoleto para o seu ambiente de mainframe em combinação com um sistema de armazenamento em fitas. Mais de 200.000 volumes de fita eram armazenados numa plataforma lenta e com pouca capacidade de resposta. Além disso, a nova legislação de conformidade exigia que a organização tivesse um centro de dados com capacidades de recuperação de desastres. Como resultado, a AT foi ao mercado em busca de uma solução mais moderna para a proteção de dados. 
“Queríamos uma máquina que pudesse suportar tanto o nosso mainframe e os nossos ambientes abertos, permitindo a consolidação contínua do sistema de armazenamento”, explicou Carlos Costa Santos, Diretor de TI, Autoridade Tributária e Aduaneira. “O objetivo era aumentar a segurança e a proteção dos dados, melhorar o desempenho, simplificar a administração, dimensionar facilmente e reduzir os custos”.
 

Autoridade Tributária e AduaneiraTendo explorado as soluções disponíveis, a AT decidiu que apenas a Fujitsu poderia oferecer uma solução de apoio a ambos os ambientes simultaneamente, permitindo a recuperação de desastres. Depois de contactar diversos clientes do ETERNUS CS8000 para obtenção de informação imparcial, a AT decidiu pela implementação da nova solução de proteção de dados.  
“A Fujitsu foi o único fornecedor com capacidade para unificar os ambientes díspares na plataforma de proteção de dados, além de oferecer uma solução muito competitiva e rentável”, acrescentou Carlos Costa Santos. “Tal tornou a empresa no parceiro perfeito para esta migração crítica”.
  

Solução  
O FUJITSU Storage ETERNUS CS8000 é uma solução de centro de dados para armazenamento de cópia de segurança para sistemas mainframe e abertos. Fornece à AT uma automação de processos inteligente e uma partilha de capacidades de armazenamento. Os dados para cópia de segurança são geridos automaticamente entre as diferentes camadas de armazenamento, incluindo tecnologias de disco e de fitas para reduzir o TCO (custo total de propriedade) para todo o ambiente de cópia de segurança.  

Cerca de 57.500 fitas foram transferidas com o mínimo de necessidades de mão de obra, apenas um colaborador da AT, com o apoio de um consultor técnico da FUJITSU. “Ao introduzir o FUJITSU Storage ETERNUS CS8000 paralelamente com o nosso sistema de cópia de segurança existente, pudemos eliminar cerca de 80% das nossas cópias de segurança, reduzindo o impacto na Autoridade”, continuou Carlos Santos. “No total, 500 TB foram migrados para a plataforma Fujitsu ETERNUS CS8000, incluindo 500 aplicações Java, 80 bases de dados Oracle e suporte do servidor físico e virtual”.  ETERNUS CS8000
Atualmente, o novo sistema protege os dados de mais de 23 milhões de contribuintes (Singulares, Colectivos, etc) que pagam impostos no país, bem como 9.000 utilizadores internos. A plataforma de proteção de dados é replicada num segundo ETERNUS CS8000 no Porto, que fornece uma recuperação de desastres instantânea. 

“É fundamental que tenhamos a capacidade de resistir a falhas inesperadas, dado que milhões de pessoas utilizam este serviço todos os dias”, referiu Carlos Santos. “Ao replicar automaticamente os dados entre os dois locais separados geograficamente, podemos cumprir os requisitos legais e asseguramos que podemos lidar com quaisquer interrupções inesperadas, sem falhas”. 


Vantagem      
A maior vantagem de que a AT desfruta é o enorme impulso no desempenho, que simplifica e agiliza a criação e aprovisionamento de novas bibliotecas de armazenamento. A interface intuitiva também simplifica a gestão, reduzindo a carga de trabalho da equipa de TI.  

“A nossa exigência inicial era de um sistema com uma produção de 45 TB/h. No entanto, esta nova solução ETERNUS pode realizar quase o dobro desse valor, tornando todo o processo muito mais rápido”, comentou Carlos Santos. “Ao reduzir a quantidade de recursos internos necessários para o seu funcionamento, posso concentrar a equipa em objetivos mais estratégicos”. 
A AT beneficiou igualmente de uma redução dramática no custo da nova solução de armazenamento, simplesmente com a redução do número de unidades necessárias. Passou da gestão de mais de 20 unidades para apenas oito, o que tornou a manutenção do novo ambiente de armazenamento cerca de 60% menos dispendiosa. Com a gestão do ETERNUS CS8000, é igualmente muito simples realizar alterações no ambiente de fitas e beneficiar sempre das melhorias da tecnologia de fitas mais recente. 

ETERNUS CS8000“O contrato de manutenção é muito menor porque existe menos componentes incluídos, refletindo-se em maiores valores que podemos alocar a outros assuntos”, comentou Carlos Santos. “Pudemos obter uma solução de armazenamento à prova de futuro e altamente disponível a um menor custo, o que é um resultado fantástico. Além disso, utilizamos actualmente 40% da capacidade global pelo que podemos facilmente escalar à medida que os volumes de dados crescerem”. 
Com a implementação da solução ETERNUS CS8000, a AT está interessada em explorar outras áreas onde poderá trabalhar com a Fujitsu. Tal inclui uma operação em massa para fornecer serviços a dispositivos do utilizador final e a implementação de um software fiscal atualizado, bem como a expansão contínua do ambiente de armazenamento. 

“A Fujitsu permitiu-nos consolidar o nosso ambiente de armazenamento para um melhor desempenho e, simultaneamente, reduzir os custos”, conclui Carlos Santos. “Além disso, temos a capacidade de recuperação de desastres necessária para assegurar que podemos fornecer uma disponibilidade otimizada aos cidadãos, empresas e utilizadores internos”.